Notícias

Voltar

Acusado do homicídio de dona de casa em Jaboatão dos Guararapes vai a júri popular

A juíza Inês Maria de Albuquerque, da 1ª Vara do Tribunal do Júri de Jaboatão dos Guararapes, decidiu nesta quinta-feira (24/9) que o réu Pablo Jorge Rangel de Araújo, acusado da morte da dona de casa Ana Yles Francisca do Nascimento, mãe da sua ex-companheira, vai a júri popular. O corpo da vítima foi encontrado esquartejado no Conjunto Habitacional Marcos Freire, em Jaboatão dos Guararapes, em dezembro de 2014. Ainda não há data para o julgamento, pois a defesa do réu pode recorrer da decisão.
 
O acusado responderá por homicídio triplamente qualificado (motivo torpe, emprego de meio cruel e recurso que impossibilitou a defesa da vítima), além de destruição e ocultação de cadáver, crime de resistência (resistiu ao ser preso pela Polícia Civil) e porte de arma (portava arma de fogo ilegalmente).
 
Para a decisão de pronúncia, a magistrada levou em consideração os laudos periciais dos fatos anexados aos autos, além da audiência de instrução e julgamento realizada nos dias 22 de maio e 22 de julho de 2015. Na audiência foram ouvidas oito testemunhas de acusação e interrogado o réu.
 
Caso – O corpo da dona de casa Ana Yles Francisca do Nascimento, de 42 anos, foi encontrado esquartejado na madrugada do dia 31 de dezembro de 2014, no Conjunto Habitacional Marcos Freire, em Jaboatão dos Guararapes. Pedaços do corpo da vítima foram localizados dentro de sacos plásticos no quarto do apartamento alugado pelo acusado e também em um matagal próximo ao Conjunto Habitacional. A polícia chegou ao apartamento depois que os vizinhos ligaram para informar a respeito do mau cheiro no local.
 
Segundo a denúncia do Ministério Público de Pernambuco (MPPE), a motivação do crime teria sido a não aceitação do fim do relacionamento do réu com a filha da vítima.  De acordo com os autos do processo, o acusado teria matado a dona de casa, esganando-a no dia 29 de dezembro de 2014, mediante dissimulação, ao convidá-la para o seu apartamento. Dois dias depois do homicídio, ele teria voltado ao local do crime e esquartejado os membros inferiores e superiores da dona de casa com uma machadinha para ocultar o cadáver.
 
Para consulta processual:
 
NPU- 000343-21.2015.8.17.0810
...........................................................................................
Texto : Ivone Veloso  |  Ascom TJPE