Notícias

Voltar

Casa de Justiça e Cidadania do TJPE promove casamento coletivo

Os juízes João Maurício Guedes Alcoforado e Wilka Pinto Vilela celebraram o casamento, nesta terça (16/12), de 40 casais na quadra da Escola Municipal Professor José da Costa Porto

 

Quarenta casais deixaram nesta terça-feira (16/12) a Escola Municipal Professor José da Costa Porto, na Ilha Joana Bezerra, com um sonho realizado. Eles oficializaram a união em casamento coletivo promovido pelo Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE), através da Casa de Justiça e Cidadania. Os juízes Wilka Pinto Vilela, da 5ª Vara de Família e Registro Civil da Capital, e João Maurício Guedes Alcoforado, da Central de Conciliação Mediação e Arbitragem da Capital, celebraram a cerimônia e forneceram orientação aos casais sobre os princípios legais da união.

Realizado na quadra da escola, o casamento coletivo reuniu casais que se inscreveram na Casa de Justiça e Cidadania de 24 de setembro a 15 de outubro. A unidade é vinculada ao Sistema de Resolução Consensual e Arbitral de Conflitos, que tem como coordenador o juiz Ruy Patu. "Aqui, os casais já saem com a certidão. Devem apenas observar se os dados estão corretos, para depois não precisar fazer correções na Justiça", explicou a juíza Wilka Vilela.

Moradores da comunidade do Coque, a dona de casa Maria Cristina Reis de Araújo, 27 anos, e o arrumador João Amaro da Silva, 34, esperaram três anos de união para realizar o sonho de obter a certidão de casamento. Ela fez questão de usar vestido de noiva e de levar os dois filhos do casal para assistir à cerimônia. "Era o que eu queria desde muito jovem. Agora só aumentam o amor e a fidelidade", conta a mulher. "Estamos muito felizes, e a responsabilidade também é maior", disse o noivo.

 

João Amaro e Maria Cristina obtiveram a certidão de casamento após três anos de união

 

Ao anunciar a abertura da cerimônia, o juiz João Maurício Alcoforado ressaltou que o compromisso assumido pelos casais pressupõe estar disposto a enfrentar novos desafios em parceria um com o outro. "É demonstrar admiração e confiança, é distribuir carinho e compreensão. É cultivar o desejo constante de superação", reforçou.

Segundo a chefe do Núcleo de Apoio e Desenvolvimento da Casa da Justiça e Cidadania, Djanira Carneiro da Cunha, o evento deverá ter uma segunda edição em 2015, beneficiando mais uma vez a comunidade. Os casamentos foram oficializados pelo 3º Cartório de Registro Civil, mais conhecido como Cartório de São José.

.......................................................................................................

Texto: Cláudia Vasconcelos | Ascom TJPE

Fotos: Assis Lima | Ascom TJPE