Notícias

Voltar

Entidades da Rede de Proteção à Mulher debatem a violência doméstica

Público assiste à palestra

Foram abordados temas como aspectos históricos da violência e cultura patriarcal

A 1ª Vara de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher (VVDFM) da Capital promoveu o seminário “Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher: Interface entre Saúde e Justiça”, no Fórum Desembargador Rodolfo Aureliano, em 28 de novembro. O evento recebeu profissionais do Poder Judiciário, da Rede de Saúde Pública do Recife e de toda a Rede de Proteção à Mulher Vítima de Violência Doméstica. Foram abordados temas como aspectos históricos da violência, cultura patriarcal, situações de violência física e psicológica, além da postura profissional na abordagem e no atendimento às vítimas. Confira as fotos AQUI

A ação foi uma das iniciativas realizadas durante a 12ª Semana da Justiça pela Paz em Casa, promovida entre 26 a 30 de novembro. A mobilização consiste num esforço concentrado de todos os tribunais de Justiça do país para dar agilidade a julgamentos de casos de violência doméstica e familiar contra as mulheres e promover iniciativas de combate e prevenção. Os resultados do esforço concentrado serão apresentados em breve pela Coordenadoria Estadual da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar.

Para a titular da 1ª VVDFM e coordenadora do evento, juíza Ana Mota, é fundamental que haja um trabalho conjunto entre as entidades para a efetivação da proteção às mulheres. “Uma das metas do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) é fortalecer as redes de proteção da mulher. Na Semana da Justiça pela Paz em Casa, a 1ª Vara pensou em fortalecer os laços com o Sistema de Saúde, que trabalha com mulheres em situação de violência. Queremos buscar esse diálogo para compartilhar informações e experiências, para traçar maiores diálogos e fazer com que a rede funcione de forma mais eficaz, efetivando a proteção à mulher”, explicou.

No encontro, foram realizados os painéis “Interface entre Saúde e Justiça” e “A intersetorialidade no atendimento à mulher em situação de violência”. O público teve acesso a números da violência doméstica no Brasil, as sequelas e consequências enfrentadas pelas vítimas, principais sinais de violência a serem identificados pelos profissionais, além da importância de se dar um tratamento humanizado à mulher vítima e reconhecê-la como um sujeito de direitos nas diversas esferas do atendimento.

Coordenador do Centro de Referência da Assistência Social (Cras) do Totó, bairro do Recife, Marcos Carbel Júnior falou de como a troca de informações entre os profissionais ajuda no atendimento. “Essa oportunidade é muito importante porque possibilita o contato com profissionais dos demais serviços de proteção à mulher. A mulher vítima de violência deve ser assistida numa perspectiva ampla, em conjunto com as diversas entidades para que possamos prestar um atendimento adequado”, afirmou.

O evento teve a participação de integrantes do Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE), do Ministério Público de Pernambuco (MPPE), da Delegacia Especializada em Atendimento à Mulher, das Secretarias Estadual e Municipal de Saúde, das Secretarias Estadual e Municipal da Mulher, dentre outras.
......................................................................................................
Texto e fotos: Amanda Machado | Ascom TJPE