Publicador de conteúdo

Retornar para página inteira
Voltar

Juizado do Torcedor fará plantão no Clássico das Emoções

O Jetep atuará no jogo na Arena de Pernambuco

Fachada do Juizado do Torcedor, com jovens que cumprem medida disciplinar entrando em ônibus parado na frente da unidade judicial

No Jetep, existe também o Programa Futebol Cidadão para quem infringe o Estatuto do Torcedor

No primeiro Clássico das Emoções do ano, entre Náutico e Santa Cruz, pela primeira rodada do hexagonal do título do Campeonato Pernambucano de 2017, o Juizado Especial Cível e Criminal do Torcedor do Estado de Pernambuco (Jetep), estará mais uma vez de plantão na Arena de Pernambuco às 14h do domingo (29/1). A equipe do Juizado atuará no estádio duas horas antes do início do jogo que está previsto para começar às 16h, ficando de prontidão até no máximo duas horas após o fim da partida.

O Juizado do Torcedor tem competência para registrar, processar e julgar ações cíveis como problemas na compra do ingresso, de meia-entrada ou acesso ao setor reservado. Na área criminal são julgados torcedores que promovam tumulto, estejam portando drogas, incitem a violência, invadam o campo ou que desacatem autoridades. Os cambistas também são julgados pelo Juizado.

Em dias de clássico, a equipe do Jetep é reforçada e nesse não será diferente. Neste domingo o juiz da 7ª Vara Criminal da Capital, Francisco Galindo, vai comandar o Juizado do Torcedor juntamente com dois servidores ­­­que integram o Jetep da Capital, um representante da Defensoria Pública e um do Ministério Público.

Em 2016, o Juizado do Torcedor realizou 104 plantões em jogos de diversos campeonatos no Estado. O juiz titular do Jetep, Júlio César Vasconcelos, falou da atuação do Juizado na Capital. “Temos uma estrutura para recebermos o cidadão. A unidade funciona para que o torcedor tenha seus direitos amparados”, disse.

No Jetep existe também o Programa Futebol Cidadão que pune quem infringe o Estatuto do Torcedor aplicando medidas que afastam por determinado período os autores dos delitos. Atualmente, 19 torcedores cumprem medida de afastamento e participam de atividades do programa.

Os torcedores que cumprem a pena socioeducativa têm que comparecer nos dias de jogos do seu time à Academia de Polícia Civil. As reuniões começam sempre uma hora antes dos jogos. Nos encontros são debatidos temas como violência nos estádios de futebol, causas e consequências das drogas, Lei Maria da Penha, e direitos humanos.

......................................................................................

Texto: Rayama Alves | Ascom TJPE
Foto: Deolinda Brandão