Notícias Notícias

Voltar

Novos dirigentes da Escola Judicial tomam posse

Desembargador Bandeira de Mello ao assumir a Diretoria da Esmape

O novo diretor da Esmape, Francisco Bandeira de Mello, parabenizou o desembargador Adalberto de Oliveira Melo e à toda a equipe da Escola Judicial pelo trabalho desenvolvido nos últimos dois anos

A posse dos novos dirigentes da Escola Judicial (Esmape) aconteceu na tarde desta quinta-feira (3/2), no Auditório Desembargador Nildo Nery, na instituição de ensino. Foram empossados, o desembargador Francisco Bandeira de Mello como diretor da Escola, e o desembargador Jorge Américo Pereira de Lira, na função de vice-diretor para o biênio 2022/2024. Na ocasião, houve ainda a recondução do juiz Sílvio Romero Beltrão ao cargo de supervisor geral da Escola. A cerimônia contou com a presença de autoridades do Judiciário, do Executivo, e do Legislativo pernambucano, órgãos públicos parceiros, além de familiares e amigos dos novos diretores. O evento também pôde ser conferido por meio do Canal Oficial do YouTube da Ascom TJPE. Confira aqui as fotos.

O início da cerimônia foi marcado pela exibição de um vídeo, produzido pela Esmape, com um resumo das principais ações desenvolvidas no biênio 2020/2022, que teve a gestão dos desembargadores Adalberto de Oliveira Melo e Waldemir Tavares de Albuquerque Filho, nos cargos de diretor e vice-diretor respectivamente. Dentre as iniciativas exibidas estavam o investimento na promoção e na readequação do ensino de magistrados e servidores, principalmente de forma virtual, por conta da pandemia da Covid-19, realizada por meio de 386 cursos que resultaram em mais de 26 mil capacitações; e a renovação da estrutura da Escola com a inauguração de novas salas de aula totalmente equipadas, de uma biblioteca física reformada, de um museu, e de uma galeria de ex-diretores.

“O biênio 2020/2022 talvez tenha sido um dos períodos mais desafiadores da Escola Judicial. Precisamos mudar a Esmape, inovarmos em algumas questões que não estávamos acostumados a lidar com tanta frequência como as aulas a distância. Essa etapa conseguimos superar. Agora surgem novos desafios, como a manutenção dos ambientes tecnológicos que criamos e desenvolvemos com novas ferramentas, e a priorização do ensino de forma remota, com o recrudescimento da Covid-19 no momento. Acredito que a Escola sempre estará preparada para enfrentar todos os obstáculos porque a instituição é formada por um grupo que se supera, que se reinventa a cada momento. A educação, após a pandemia, mudou, tendo que ser demonstrada com mais práticas e exemplos. Temos o compromisso de nos superar a cada dia nesse novo biênio”, afirmou o supervisor da Escola, juiz Sílvio Beltrão.

Em seu discurso de despedida do cargo de diretor da Escola, o desembargador Adalberto de Oliveira Melo, também enfatizou os desafios enfrentados para superar a pandemia e continuar promovendo um trabalho eficaz. “Há quase dois anos, iniciamos aquela que se tornou uma jornada por educação com base no trabalho coletivo, no respeito à diversidade, na cumplicidade dos sonhos e no apoio mútuo para enfrentar inúmeros desafios. Celebramos os resultados alcançados com o apoio de inúmeras pessoas e instituições. No momento difícil em que vivemos e sobrevivemos, a gratidão também se faz à ciência, à sabedoria, ao cuidado coletivo e à responsabilidade de cada pessoa consigo e com o próximo. A pandemia, que ainda nos assola, é real e nos afetou de diferentes formas, mas com fé, esperança e medidas de proteção, iremos superar mais esse tenebroso período da história”, pontuou.

O magistrado também agradeceu ao ex-presidente do TJPE, desembargador Fernando Cerqueira, pelo apoio prestado à instituição de ensino para as ações promovidas no espaço. “Nesta despedida, gostaria de agradecer ao desembargador Fernando Cerqueira Norberto dos Santos. O amigo, superando todas as circunstâncias desfavoráveis, apoiou as iniciativas propostas e desenvolvidas por esta Escola Judicial e nos deu liberdade para inovar e, de alguma forma, contribuir para a formação das pessoas que integram o sistema de Justiça dentro e fora de Pernambuco. Seria impossível executar o que realizamos sem o total aval da Presidência. No mesmo sentido, fazemos votos de sucesso ao novo presidente do TJPE, o amigo Luiz Carlos Figueirêdo”, destacou.

Na sequência, o novo diretor da Esmape, desembargador Francisco Bandeira de Mello, parabenizou o desembargador Adalberto de Oliveira Melo e a toda a equipe da Escola Judicial pelo trabalho desenvolvido nos últimos dois anos. “O gestor, a quem tenho a honra de suceder, deixa a sua marca na história da instituição com muitos méritos, dentre eles o sucesso absoluto com que rapidamente adaptou a Esmape às injunções da pandemia, desenvolvendo novas formas de atuação e assegurando a manutenção do volume de atividades e a sua eficácia”, observou.

O desembargador falou do compromisso em dar sequência às ações promovidas na instituição com o apoio da nova mesa diretora do TJPE, formada pelo presidente do órgão judiciário, Luiz Carlos de Barros Figueirêdo; pelo 1º vice-presidente, Antenor Cardoso; pelo 2º vice-presidente, Antônio de Melo; e pelo corregedor geral, Ricardo Paes Barreto.

“Agradeço a confiança do desembargador Luiz Carlos de Barros Figueirêdo. Tenho consciência da imensa carga de responsabilidade que acompanha a honra de dirigir a Esmape, pelo papel fundamental que ela desempenha hoje no Tribunal e fora dele. Contarei com a parceria do vice-diretor da Escola, Jorge Américo Pereira de Lira, um dos expoentes desta casa, cuja consistência técnica, capacidade de trabalho e comprometimento são por todos reconhecidos. Terei igualmente o privilégio de contar com toda a equipe que aqui já atua, que tem à frente o juiz supervisor Sílvio Romero Beltrão, com experiência neste cargo ao longo de três gestões”, salientou.

Francisco Bandeira de Mello fez um agradecimento especial aos pais, Sylvia e Francisco Bandeira de Mello, ao fazer referência à base de sua educação formal, fundamental ao alcance de cada conquista. “Além da esmerada educação, assegurada a mim, a meus irmãos, à custa de bastante sacrifício -  falo de um casal de funcionários públicos - aos meus pais devo sobretudo o exemplo de suas vidas, vividas com dignidade, humildade, dedicação à família e ao trabalho, sempre com grandeza de espírito", revelou.

Por fim, o desembargador frisou a necessidade da união de todos para a manutenção e o desenvolvimento da atuação da Escola, as suas metas de gestão, e destacou a história da instituição ao longo dos anos. “A Esmape precisa da mão participativa de todos, no esforço conjunto de fazê-la girar sempre na plenitude de sua força e com a máxima efervescência intelectual, a fim de prosseguir ampliando, pela via da capacitação, do aperfeiçoamento e da inovação tecnológica, os níveis de produtividade de qualidade das nossas atividades jurisdicionais. Pretendo manter e fortalecer a capacitação do Judiciário e também lidar com as demandas que explodem em caráter exponencial dentro de uma sociedade que se transforma e ganha complexidade numa velocidade cada vez maior. Criada em 1987 pelo saudoso Aluiz Tenório de Brito, então presidente da Associação dos Magistrados de Pernambuco, a Escola tem uma história marcada por avanços constantes, e tem hoje posição de destaque nacional dentre as entidades congêneres, sendo reconhecida e prestigiada, inclusive em âmbito internacional”, concluiu.

Imagem do supervisor geral da Escola, juiz Sílvio Romero Beltrão; o novo diretor da Esmape, desembargador Francisco Bandeira de Mello; e o vice-diretor, desembargador Jorge Américo Pereira de Lira

O supervisor geral da Escola, juiz Sílvio Romero Beltrão; o novo diretor da Esmape, desembargador Francisco Bandeira de Mello; e o vice-diretor, desembargador Jorge Américo Pereira de Lira

Ao final da cerimônia, o presidente do TJPE, desembargador Luiz Carlos de Barros Figuerêdo, exaltou as características intelectuais e profissionais que para ele demonstram a qualificação do desembargador Francisco Bandeira de Mello no exercício da direção da Esmape. “Assim como eu, os colegas da magistratura sempre apontavam Bandeira de Mello como um nome ideal para assumir o cargo de gestão da Escola Judicial. Ele tem todos os atributos para exercer uma grande gestão à frente dessa instituição que a cada dia aumenta a sua importância. Gostaria de demonstrar o respeito a tudo o que foi construído ao longo das diversas gestões da escola, mas acho que um dos maiores desafios foi o enfrentado por Adalberto de Oliveira Melo porque não foi fácil enfrentar a situação da pandemia, tendo em vista que o Judiciário dependia da modernização da escola, com a sua entrada efetiva no mundo digital, por meio do fortalecimento do ensino a distância, para que continuássemos atuando com qualificação, celeridade e eficácia. Então parabenizo muito a gestão passada e desejo sucesso aos dirigentes no enfrentamento dos novos desafios. Estaremos juntos nessa missão”, assegurou.

.........................................................................................................
Texto: Ivone Veloso | Ascom TJPE
Fotos: Armando Artoni | K9 Produções