Publicador de conteúdo

Retornar para página inteira
Voltar

TJPE promove palestra para conscientizar agressores de mulheres

A reunião aconteceu no Fórum Desembargador Rodolfo Aureliano, na Ilha Joana Bezerra, e faz parte do Projeto Caminhos

A Campanha tem como proposta mobilizar os homens no engajamento pelo fim da violência contra a mulher

Autores de violência contra a mulher que estão cumprindo sentença e custodiados das 1ª e 3ª Varas de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher do Recife participaram, na manhã desta terça-feira (6/12), de uma palestra sobre a Campanha do Laço Branco, Homens pelo fim da violência contra a mulher. A reunião aconteceu no Fórum Desembargador Rodolfo Aureliano, na Ilha Joana Bezerra, e faz parte do Projeto Caminhos, resultado de um convênio firmado entre o Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) e a Secretaria de Defesa Social (SDS) por meio da 1ª Vara da Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher e da Delegacia Especializada da Mulher.

Convidado para ministrar a palestra aos agressores, o promotor de Justiça da 1ª Vara de Violência contra a Mulher, João Maria Rodrigues, falou sobre o objetivo de se reunir com os custodiados. “A finalidade é dar um norte na questão de cumprimento da pena e também nas medidas de comparecimento mensal aqui e transformar esses eventos em algo que seja proveitoso para eles, passar algo a respeito de violência de gênero e como devem se portar. Tentar facilitar a reeducação deles para que não reincidam”, disse.

A ideia com a promoção da reunião é implementar o Projeto Caminhos, que visa a conscientizar os homens a não praticarem violência contra a mulher e a orientar as vítimas de violência doméstica e familiar sobre a Lei Maria da Penha, os direitos que possuem na Justiça e os trâmites legais existentes após o registro da ocorrência policial. A assistente social Tatiana Craveiro explica que, através da ação, são realizadas palestras com as comunidades de bairros com maior incidência de violência doméstica. “Falamos a respeito do que é a Lei Maria da Penha, do fenômeno da violência doméstica e também damos orientações sobre a Rede de Enfretamento de Apoio à Mulher que sofre violência”, destacou.

A Campanha Laço Branco tem como proposta sensibilizar, envolver e mobilizar os homens no engajamento pelo fim da violência contra a mulher. O movimento surgiu depois do que aconteceu em 6 de dezembro de 1989, quando um rapaz invadiu uma sala de aula da Escola Politécnica na cidade de Montreal no Canadá. Ele ordenou que os homens saíssem da sala e apenas as mulheres permanecessem então o rapaz atirou enfurecidamente contra elas. Assassinou 14 mulheres à queima roupa pelo fato de não suportar a ideia de vê-las estudando engenharia, como afirmou em uma carta que deixou após o suicídio.

O movimento integra as ações pela não violência contra a mulher que integra os 16 dias de ativismo, uma campanha mundial que começou em 25 de novembro e segue até o dia 10 de dezembro, dia internacional de direitos humanos. Um dos presentes na palestra diz que esse tipo de ação ajuda a conscientizar sobre a violência contra a mulher. “É melhor sentar e conversar do que chegar ao extremo, porque isso é uma penitência pra o resto da vida”, afirmou.
...............................................................................................
Texto: Rayama Alves  |  Ascom TJPE
Foto: Alesson Freitas | Agência Rodrigo Moreira