Notícias

Voltar

Vara de Violência contra a Mulher do Cabo recebe estudantes para apresentar o trabalho da unidade

Estudantes assistem à palestra de juiz e servidor

Juiz Francisco Tojal conversou com estudantes sobre violência doméstica e familiar contra a mulher

Estudantes da Escola Mário de Andrade, no Cabo de Santo Agostinho, estiveram, nesta sexta-feira (25/11), na Vara de Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher (VVDFM) do município para conhecer o trabalho realizado pela unidade. Além de saber mais sobre a Lei Maria da Penha, os jovens receberam informações sobre medidas protetivas, o papel do juiz, do promotor, do defensor e do advogado e puderam tirar dúvidas sobre o assunto. A iniciativa faz parte de um projeto da unidade que busca promover ações preventivas para evitar o aumento de casos de violência contra a mulher.

Segundo o juiz Francisco Tojal, que responde pela Vara de Violência, a ação foi realizada em celebração ao Dia Internacional para a Eliminação da Violência Contra as Mulheres, comemorado em 25 de novembro. O ato também integra a campanha dos 16 dias de ativismo para o combate à violência contra a mulher. “Tem uma frase de Pitágoras que diz o seguinte: ‘Eduquem-se as crianças para que não seja necessário punir os adultos’ e eu acredito nisso. A nossa preocupação não é apenas reprimir os casos de violência, mas de atuar para ampliar e fortalecer a rede de proteção dessas mulheres”, explicou. O magistrado ressaltou ainda, que o projeto busca aproximar o Judiciário do cidadão. Todos os servidores da Vara participaram do encontro.

Estudantes, magistrados e servidores em foto oficial

Magistrado, servidores e estudantes na VVDFM do Cabo de Santo Agostinho

Durante a visita, além de um debate, foi promovido um momento de reflexão com os adolescentes, abordando a Campanha do Laço Branco e sua origem. No dia 6 de dezembro de 1989, um homem de 25 anos entrou armado na Escola Politécnica de Montreal, no Canadá. Em uma sala de aula, ele ordenou que os homens se retirassem. Assassinou 14 mulheres e depois saiu atirando pelos corredores e outras dependências da escola, gritando “Eu odeio as feministas”. Dessa forma, ele matou 14 estudantes, todas mulheres. Feriu ainda 14 pessoas, das quais 10 eram mulheres. Depois suicidou-se. Assim nasceu a Campanha do Laço Branco, promovida por homens pelo fim da violência contra a mulher.

“Estávamos todos os homens da unidade com laços brancos e também entregamos laços aos adolescentes do grupo para que usassem e às adolescentes para que elas entregassem a homens de sua convivência e explicassem a história, proporcionando uma reflexão sobre o tema. Foi motivador”, destacou. O juiz explicou que esse foi o primeiro encontro e outros já estão sendo planejados.

Combate à violência – Os servidores do setor psicossocial da Vara de Violência da Mulher do Cabo participaram, na tarde desta sexta-feira, de um ato público pelo fim da violência contra a mulher. O encontro, realizado pelo Centro das Mulheres do Cabo, uma Organização Não Governamental, acontece às 15h, na Praça da Estação.
...............................................................................................................
Texto: Rebeka Maciel | Ascom TJPE
Fotos: Equipe da VVDFM do Cabo