Notícias Notícias

Voltar

Sustentabilidade, a partir de questões éticas e empreendedoras, debatida no TJPE

Tema de uma das palestras, no campo da sustentabilidade e ação social, a Orquestra Criança Cidadã se apresentou durante evento
 
Tema de uma das palestras, no campo da sustentabilidade e ação social, a Orquestra Criança Cidadã se apresentou durante evento
 
Inovação, empreendedorismo, ética, governança e responsabilidade social foram os temas debatidos durante o 1º Fórum Justiça Sustentável: agir para transformar. Realizado no auditório do Fórum do Recife, em 21 de agosto, o encontro trouxe palestras sobre os variados aspectos da sustentabilidade a partir de iniciativas de instituições de Pernambuco e de outros estados. Confira as fotos do evento no álbum do Judiciário estadual no Flickr.
 
“Para nós, foi muito enriquecedor estar aqui, conversando com quem trabalha com a Justiça e pela Justiça, e saber que está se trazendo o tema da sustentabilidade para este ambiente. É um prazer, uma honra para nós contribuir com esse debate, com essa construção de aprimoramento interno. Trazer nossa experiência foi compartilhar dois pilares que desenvolvemos: a forma como nós nos relacionamos com o planeta e a forma como nós nos relacionamos individual e coletivamente”, declarou o diretor executivo do Museu do Amanhã (RJ), Ricardo Piquet, que apresentou a palestra sobre sustentabilidade e convivência como eixos éticos do amanhã.
 
Quem também palestrou foi o auditor federal de Controle Externo do Tribunal de Contas da União (TCU-DF), Ítalo Albuquerque, que abordou a questão de planejamento na contratação de bens e serviços. “A estrutura de governança provê a inclusão de práticas de sustentabilidade no ambiente colaborativo. Essa iniciativa do TJPE é fundamental pra gente discutir, conversar sobre o tema e compartilhar experiências, erros e sucessos. A gente tem uma grande gama de experiências espalhadas pelo Brasil, e o que a gente precisa é disseminar as experiências boas e discutir eventuais erros e falhas e avançar. É preciso iniciar um movimento que ganhe força e, em curto ou médio prazo, a gente tenha a administração pública brasileira, nas três esferas – federal, estadual e municipal –, atuando de maneira coordenada, tanto na área de governança quanto na área de sustentabilidade.”
 
Diretor executivo do Museu do Amanhã, do Rio de Janeiro, Ricardo Piquet elogiou a iniciativa do TJPE
 
Diretor executivo do Museu do Amanhã, do Rio de Janeiro, Ricardo Piquet elogiou a iniciativa do TJPE
 
O encontro também contou com a participação da coordenadora do Plano de Logística Sustentável Região Norte e Nordeste da Advocacia Geral da União (AGU), Patrícia Amorim, que abordou a aquisição sustentável na prática das instituições; do professor doutor e pesquisador no campo dos estudos de religião na Universidade Católica de Pernambuco (Unicap), Gilbraz Aragão, com o tema espiritualidade e sustentabilidade; e do assessor especial da Presidência do Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE), juiz João Targino, em apresentação sobre a Orquestra Criança Cidadã como uma ação de responsabilidade social exitosa. 
 
Hábitos para o consumo consciente foi o tema abordado pelo empreendedor social, professor e pró-reitor administrativo da Unicap, Márcio Waked, e pela empreendedora social e designer em educação para sustentabilidade, Susana Leal. Já a consultora ambiental e embaixadora do Instituto Lixo Zero Brasil no Recife, Susanne Galeno, e a arquiteta e urbanista da Abra Arquitetura, Eline Letícia da Silva, falaram sobre lixo zero e alternativas de impacto positivo na arquitetura. 
 
A importância da destinação correta dos resíduos para a preservação do meio ambiente foi apresentada pelo auditor de controle externo do Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco (TCE-PE), Pedro Coelho. Coube à professora e pesquisadora líder do Grupo Gestão Ambiental em Pernambuco da Universidade Federal Rural (UFRPE), Soraya El-Deir, encerrar o encontro ao falar sobre atividades coletivas de transformação a partir da experiência do Comitê Ecos de Pernambuco, que visa a implantar programas e ações de responsabilidade social nas instituições.  
 
“A participação neste fórum foi de grande importância porque fez a gente ampliar nossa perspectiva de ação e pensar nos benefícios que a gente pode trazer pro contexto de nossa unidade, para o trabalho desenvolvido pela gente no Tribunal e para a nossa família, por exemplo. Compartilhamos e conhecemos experiências que podem ser direcionadas à obtenção de resultados bastante positivos”, declarou a servidora Anna Carla, lotada no Núcleo Permanente de Métodos Consensuais de Solução de Conflitos (Nupemec), ao elogiar as palestras.
 
Magistrados e servidores do TJPE e de outras instituições prestigiaram o evento
 
Magistrados e servidores do TJPE e de outras instituições prestigiaram o evento
 
O Fórum Justiça Sustentável também contou com as presenças do segundo vice-presidente do Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE), desembargador Antenor Cardoso; do diretor do Foro da Capital, juiz Gleydson Lima; do coordenador de Planejamento e Gestão Estratégica, Luís Eduardo Câmara; e do presidente do Sindicato dos Oficiais de Justiça de Pernambuco (Sindojus-PE), Marcos Antônio Soares de Albuquerque. Iniciativa da Coordenadoria de Planejamento e Gestão Estratégica (Coplan) por meio do Núcleo de Sustentabilidade, em parceria com a Assessoria de Comunicação Social (Ascom), tendo o suporte voluntário de integrantes do Encontro Pernambucano de Resíduos Sólidos (Epersol/UFRPE). O Comitê Ecos de Pernambuco apoiou a ação.
 
O comitê é resultado de uma parceria entre o Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE), o Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF5), o Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco (TCE-PE), o Tribunal Regional Eleitoral de Pernambuco (TRE-PE), o Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região (TRT6), a Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), o Ministério Público do Estado (MPPE), a Superintendência de Administração em Pernambuco / Advocacia Geral da União (SAD/PE-AGU), a Procuradoria da República em Pernambuco / Ministério Público Federal (PR-PE/MPF) e a Procuradoria Regional da República da 5ª Região / Ministério Público Federal (PRF5/MPF). As propostas principais do Ecos são planejar e acompanhar as ações conjuntas com o objetivo de promover a preservação e recuperação do meio ambiente.
....................................................................................................................
Texto: Francisco Shimada | Ascom TJPE
Fotos: Assis Lima | Ascom TJPE – Gleber Nova | Esmape