Notícias

Voltar

Adotado quando bebê, magistrado da Infância e Juventude conta sua história de superação

Juiz no Gabinete sentado

Atualmente, José Fernando é titular da Vara Regional da Infância e Juventude da 7ª Circunscrição

Juiz da Vara Regional da Infância e Juventude da 7ª Circunscrição, na Comarca de Caruaru, José Fernando Santos de Souza, de 59 anos, encara o desafio de trabalhar com processos na área de adoção como uma causa, como ele diz um “sacerdócio”. Os casos que analisa na unidade judiciária remetem à sua história. Ainda recém-nascido foi entregue pela mãe biológica, numa caixa de sapato, a uma dona de casa, no meio da Praça Pedro Américo, em João Pessoa, na Paraíba. Era a década de 1960, tempo em que era difícil para uma mulher grávida, deixada pelo pai da criança, voltar para a casa dos familiares e ser aceita com um bebê. Desde então, José Fernando se tornou filho único da dona de casa Maria Luíza Santos de Souza e do policial militar Edson Marinho de Souza.

“Não guardo sentimento de mágoa em relação à minha mãe biológica. Diante da situação que vivia, ela poderia ter me jogado numa lata de lixo, por exemplo, ou ter praticado um aborto, mas optou por me entregar a uma mulher que ela julgava ser uma boa pessoa”, avalia. Criado por uma família simples, José Fernando recebeu dos pais a principal lição que levou para o resto da vida e que para ele fez toda a diferença: se esforçar nos estudos. “Percebi desde criança, com a ajuda dos meus pais, que quando você vem de uma família sem recursos não há outra possibilidade de conquistar um futuro melhor que não seja por meio da aplicação nos estudos, da leitura, da capacitação. Sempre vi a escola como a única alternativa de um futuro promissor”, conta.

Até os 6 anos de idade, José Fernando foi criado no município de Pedra de Fogo, interior da Paraíba. Depois, foi com a família para João Pessoa, onde concluiu o ensino médio e sonhava ser economista “para trabalhar no Banco Central”. Ao fazer a inscrição para o vestibular, no entanto, seguiu o conselho da então namorada, hoje esposa Maria de Lourdes Ferreira de Souza, e se inscreveu para o curso de Direito. Passou no vestibular e cursou Direito no Centro Universitário de João Pessoa (Unipê), de 1982 a 1987. “Quando comecei a fazer o curso, já compreendi que a magistratura seria o caminho que eu queria trilhar para minha vida”, afirma. A realização do sonho veio um pouco depois. Após a graduação, atuou como analista judiciário no Tribunal Regional do Trabalho da 13ª Região, em João Pessoa, e exerceu a advocacia na Paraíba.  

Em 1994, José Fernando ingressou na magistratura do Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE). Primeiro foi juiz substituto da 2ª Vara Cível da Comarca de Palmares, a qual tem competência para os feitos relativos à Infância e Juventude. Em seguida, atuou em Macaparana, que é Vara Única, julgando todo tipo de ação. Depois foi para o Fórum de Água Preta, hoje com duas Varas Únicas, onde também atuou na tramitação de todo tipo ação processual. Chegou à cidade de Caruaru, em 1998, quando foi promovido por merecimento, e começou a atuar na Vara da Fazenda Pública.

No município, voltou a trabalhar com processos da Infância e Juventude em fevereiro de 2017, assumindo a Vara Regional da Infância e Juventude da 7ª Circunscrição. A unidade judiciária atende a 42 cidades do interior do Estado, em relação ao trâmite de processos de jovens em conflito com a lei e em cumprimento de medidas socioeducativas, e a 16 comarcas com ações relacionadas à adoção. O magistrado atua, na unidade judiciária, com os juízes Elias Soares da Silva e Rommel Patriota.

“Pela minha história, me sinto privilegiado em trabalhar com o tema hoje, em contribuir de alguma forma para a agilização dos processos na área. Sinto prazer em conhecer as causas de cada um e tentar agir da melhor forma possível. Acabei virando referência para muitos jovens e adolescentes em situação de risco e vulnerabilidade, ou para aqueles que esperam a oportunidade de fazer parte de uma família por meio da adoção que moram em instituições de acolhimento, e que conhecem minha trajetória. Um dos meninos acolhidos disse para mim recentemente: ‘quando crescer, quero ser juiz’. Isso para mim não tem preço. Sinto-me muito gratificado por tudo o que aconteceu na minha vida”, afirma.

O maior sentimento de gratidão que ele diz ter é em relação aos pais, já falecidos. O pai, Edson Marinho de Souza, faleceu em 1983; e a mãe, Maria Luiza Santos de Souza, em 2011. “Fui muito abençoado em tê-los na minha trajetória. Vivi num ambiente de poucos recursos, mas de muito amor. Isso, no final das contas, é o que realmente importa. Agradeço a eles por ter tido a oportunidade de seguir a vida, de ter me realizado profissionalmente e também no âmbito pessoal. Se houver outra vida quero ficar com eles para sempre. Acredito num reencontro de almas”, revela. Hoje, José Fernando construiu também uma família. Tem esposa, três filhos e quatro netos. Quando olha para o passado, ele avalia: “tudo tinha um propósito de ser”.

Fachada do Fórum de Caruaru

A unidade judiciária em que atua fica no Fórum de Caruaru

Legislação – Sobre a forma como foi adotado, por meio da adoção direta, da entrega da criança a uma família, o magistrado afirma que era a prática comum na época. Com a criação do Cadastro Nacional de Adoção (CNA), há 11 anos, pela resolução 54/2008 do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), para adotar atualmente é preciso ser inserido no CNA, após a realização de um curso de pretendente à adoção e a decisão favorável do juiz da Vara da Infância e Juventude ou da unidade judiciária que atue na comarca na área. Na sequência, é preciso passar por um estágio de convivência com a criança ou o adolescente. Depois do estágio, o juiz da comarca competente da criança a ser adotada profere a sentença deferindo ou não a adoção.

O cadastro foi instituído para auxiliar juízes das varas da Infância e Juventude na condução dos processos de adoção. Interligando os tribunais de Justiça, a ferramenta facilita o cruzamento de dados de acordo com as preferências dos candidatos à paternidade e o perfil das crianças e dos adolescentes disponíveis nas instituições de acolhimento do país. Na última década, mais de 12 mil adoções foram realizadas por intermédio do CNA no Brasil. A partir da implantação do cadastro, o número de adoções foi crescente. No primeiro ano de utilização, o CNA viabilizou 82 adoções. Já no final de 2018, mais de 2 mil adoções tinham sido efetivadas.

A adoção direta é permitida como uma exceção à regra da jurisdição, desde que a criança tenha mais de três anos de idade, que seja comprovada a fixação de laços de afinidade e afetividade entre adotantes e adotados, e não seja constatada má-fé. Há o risco, em contrapartida, dos juízes não autorizarem a permanência da criança ou do adolescente junto aos adotantes ou da família biológica desistir de entregar a criança no processo de destituição do poder familiar.

Notícias relacionadas

Pernambuco está entre os quatro estados que mais promovem adoções no país

Conheça o passo a passo para adoção

TJPE promove eventos sobre adoção em parceria com instituições

Equipes do Judiciário pernambucano promovem "onda do bem" para crianças e adolescentes à espera de adoção

Família Vilaça constrói rede de amor e solidariedade pela adoção

No apadrinhamento e na adoção, Liana e Ana Luiza Vilaça dão exemplo de amor e solidariedade

Tribunal compartilha história sobre nascimento de um laço afetivo pela perspectiva do padrinho
...........................................................................................................
Texto: Ivone Veloso | Ascom TJPE
Fotos: Cortesia e Assis Lima  | Ascom TJPE