Notícias

Voltar

Magistradas do TJPE participam do primeiro curso “A mulher juíza”

Magistradas do TJPE em Brasília

Representantes do TJPE no encontro em Brasília (DF)

A coordenadora Estadual da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar do Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE), desembargadora Daisy Andrade; e as juízas Nalva Cristina Campelo e Paula Malta participaram da primeira edição do curso “A mulher juíza: desafios na carreira e atuação pela igualdade de gênero”. A atividade ocorreu em Brasília (DF), entre 15 e 17 de maio, com idealização e realização do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), da Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados (Enfam) e do Superior Tribunal de Justiça (STJ) e com apoio de associações diversas.

Dentre os pontos debatidos durante o encontro, o aperfeiçoamento de estratégias para aperfeiçoamento institucional a partir da Resolução CNJ 255/2018, sobre a participação feminina no Judiciário; a identificação de elementos de inovação instituídos pela Portaria CNJ 133/2018, a respeito da Agenda 2030 do Judiciário em especial sobre a igualdade de gênero; e a análise da pesquisa “Cenário de Gênero”, que aponta uma Justiça, no Brasil, formada por 61,2% de homens e 38,8 de mulheres, por exemplo.

No contexto da atividade na Capital Federal, através do Ato SGP 1150/2019, publicado na edição 91/2019 do Diário de Justiça eletrônico (DJe) em 17 de maio, o presidente do TJPE, desembargador Adalberto de Oliveira Melo, instituiu um Grupo Especial de Trabalho para realizar estudos a respeito da implementação da Resolução CNJ 255/2018. O documento do Conselho trata da Política Nacional de Incentivo à Participação Institucional Feminina no Poder Judiciário.

O grupo é coordenado pela desembargadora Daisy Andrade e conta com a participação das juízas Ana Mota, Rúbia Celeste, Mariana Vargas e Eunice Prado; dos juízes Francisco Tojal e Luiz Carlos Figueiredo; e das servidoras Rebeka Maciel e Juliana Cerqueira. As atividades estão vinculadas à Presidência do TJPE.

Notícias relacionadas

Participação feminina na magistratura cresce lentamente

CNJ apresenta a magistradas adaptação de ações da Justiça à Agenda 2030

.................................................................................................................
Texto: Francisco Shimada | Ascom TJPE
Foto: Cortesia