Notícias Notícias

Voltar

Turma de magistrados celebra 40 anos de ingresso no Judiciário estadual pernambucano

Autoridades dispostas lado a lado na Sala do Convivium, no Palácio da Justiça

Uma cerimônia de reencontros e recordações de uma turma de 33 magistrados que ingressaram no Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) em 1982. Os 40 anos de ingresso no Judiciário estadual pernambucano foram celebrados numa solenidade, promovida na Sala de Sessões, no Palácio da Justiça, na manhã desta quinta-feira (24/11), que contou com a realização de um culto ecumênico e o descerramento de uma placa com os nomes dos homenageados. 

“Quarenta anos não são 40 dias. Formamos uma turma muito unida de magistrados que seguiram caminhos de sucesso, que contribuíram com o êxito do Judiciário de Pernambuco, e que continuam contribuindo, muitos deles ainda na ativa, outros já aposentados. Hoje alguns já não estão nesse plano terrestre, mas também deram seu contributo de forma efetiva e evidente. Então, é um momento de alegria, de reviver, de conversar, de relembrar daqueles que já se foram, de congraçamento, e de registrar para a posteridade, pedindo a Deus que outros possam ter uma oportunidade igual a essa, de fazer esse tipo de comemoração”, afirmou o presidente do TJPE, desembargador Luiz Carlos de Barros Figueirêdo, também integrante da turma que ingressou em 1982 no Tribunal. 

“É uma dádiva de Deus nós podermos chegar aqui, nos reunir, e confraternizar com todos aqueles que há 40 anos abraçaram a magistratura, que trilharam um caminho tortuoso e difícil, mas passado todo esse tempo percebemos que valeu a pena. O que eu posso dizer é que nós estamos felizes hoje, que nós vivemos esse dia como muita gratidão. Tivemos carreiras bem sucedidas. Se há 40 anos entramos sem conhecer nada, sem saber do futuro, hoje nós somos ainda o futuro do presente. Muitos de nós estamos como membros do Tribunal, na última etapa da carreira, outros já aposentados, e estamos hoje nos confraternizando e dando graças a Deus por todas as histórias vividas e celebrando as que ainda estão por vir no campo profissional e pessoal”, pontuou o desembargador Fernando Cerqueira. 

Culto ecumênico 

A celebração ecumênica começou com as palavras da pastora e juíza de Direito do TJPE Nalva Cristina, parabenizando os magistrados que ingressaram no TJPE, e traçando um paralelo entre o desenvolvimento profissional e espiritual. “Vejo aqui uma turma que ingressou como muita competência e que formou uma história repleta de ousadia e sucesso e de pessoas que nos acompanharam ao longo da nossa trajetória no Tribunal. A nossa caminhada é definida por propósitos: a magistratura é na verdade um magistério e todos os dias ensinamos e aprendemos. Todos os dias nos encontramos em situações desafiadoras que nos promovem uma reflexão e uma ponderação. Os discernimentos das circunstâncias vivenciadas nos levam a uma reflexão profunda, de mudanças, que podem não ter sido concretizadas ainda, mas que são necessárias para trilhar caminhos mais longínquos, que nos façam refletir sobre tesouros de sabedoria e humanidade, e essa é a proposta de uma promoção ainda maior na nossa vida trilhada por Deus”, observou. 

Na sequência, o palestrante espírita, professor Humberto Costa Vasconcelos, falou sobre a relevância do exercício da Justiça e da evolução de todo o ser humano. “Todos nós somos cooperadores de Deus, cada um na sua seara. Quando colocamos gratidão e bondade no que fazemos, integramos parte desse propósito maior, e agir dessa forma é um aprendizado diário. Nem todas as conquistas do universo podem superar a maior conquista da civilização, que é a consciência jurídica, quando enquadramos esses propósitos de evolução no nosso trabalho. Essa é sem dúvida a noção fundamental do bom direito, e todos que se propuserem a trilhar esse caminho estão credenciados a exercer em nome do Estado um inegável serviço ao cidadão porque são cooperadores de Deus. Parabéns pela carreira de vocês e por esse reencontro de aprendizados e evolução constantes”, afirmou. 

Finalizando a celebração ecumênica, o padre Arlindo exaltou a graça de vivermos o presente com felicidade e gratidão por cada instante e pelas conquistas alcançadas. “Vocês conquistaram esse momento com muita garra e esforço, mas digo para todos e também para os que formam essa turma que o melhor momento é o agora, e a idade mais bonita é àquela que vivemos. Aproveite o hoje porque ele não volta mais, aproveite o que Deus nos permite com o desejo de recomeçar sempre, e a gente pode recomeçar com a consciência de que somos eternos aprendizes. Vocês são todos vitoriosos porque quando a gente constrói algo para o outro a gente se eterniza e eu sei que no coração de vocês têm pessoas eternizadas. Por isso viva cada instante, procure fazer o bem, e amanhã quando acordar faça seu dia mais feliz, faça a vida do outro mais feliz, e se eternize no coração dos mais próximos com ações e palavras”, refletiu. 

Homenagem e placa 

Em seguida, todos os palestrantes e homenageados receberam uma obra de arte do artista plástico Cavani Rosas, entregue pelo desembargador Fernando Cerqueira. E por fim, os integrantes da turma que ingressaram na magistratura do TJPE no ano de 1982 descerraram uma placa com o nome de todos, na Sala de Convivium, no Palácio da Justiça. 

Confira AQUI os nomes dos magistrados integrantes da turma. 
.............................................................................
Texto: Ivone Veloso | Ascom TJPE
Fotos: Assis Lima | Ascom TJPE