CAP-Centro de Apoio Psicossocial CAP-Centro de Apoio Psicossocial

Breve Histórico do CAP

De renomado saber jurídico e imbuído de forte espírito humanista que acompanhou toda sua trajetória profissional, o Dr. Milton José Neves, primeiro juiz da 4ª Vara de Família da Capital, Desembargador aposentado, foi quem impulsionou a criação do Centro de Apoio Psicossocial – CAP, em 1992, que em principio teve a denominação de Núcleo de Apoio Psicossocial.

Almejava o ilustre magistrado, dispor de equipe técnica multiprofissional que o auxiliasse no deslinde das lides familiares que se manifestavam com nuances cada vez mais complexas, e requeriam a inserção de outros saberes profissionais, além do jurídico, que possibilitaria respostas mais satisfatórias do Judiciário a tais demandas. (Entrevista Revista Judicatura-AMEPE, 2008).

Logo de início, contou apenas com uma assistente social e uma psicóloga, cedidas por outros órgãos públicos, uma vez que o Tribunal não dispunha de equipe própria. Somente a partir de 1993, após realização do 1º Concurso Público para provimento de cargo efetivo de assistentes sociais e psicólogos, foi possível ampliar a atuação profissional na área de família.  Desde então, passou a atender uma demanda cada vez mais crescente por parte de outros magistrados das Varas de Família, que ao tomarem conhecimento do trabalho iniciado por Dr. Milton Neves, passaram também a requisitá-lo espontaneamente, numa clara demonstração do reconhecimento da necessidade dessa interface do Direito com outros saberes.

            Hoje, o trabalho da equipe interprofissional do CAP assessora os juízes das Varas de Família da Capital, das Câmaras Cíveis e da Central de Ordem de Rogatória e Precatória da Capital através de estudos psicológicos, sociais ou psicossociais, com o objetivo de subsidiar as decisões judiciais.